Sis Rádio
Publicidade
Publicidade
Madre de Deus/Ba
Min.
Máx.
Filhos de Gandhy voltam ao azul e branco
29/01/2020

Filhos de Gandhy voltam ao azul e branco e enfrentam crise financeira: 'Retorno à tradição'

Com temática que homenageia orixás, afoxé pretende combater uso de colares rosas e assédio

                                                                                     Em 2020, o tapete branco com detalhes azuis estará de volta (Foto: Claudionor Júnior/Arquivo CORREIO)

O Carnaval que marcou o aniversário de 70 anos dos Filhos de Gandhy foi cercado de polêmicas. A fantasia quase toda dourada no desfile de 2019 desagradou boa parte dos associados, que acusaram a diretoria de promover a descaracterização do afoxé. Em 2020, porém, o Gandhy promete não só retornar ao original azul e branco como também vai tomar medidas que reforçam as tradições.

Apesar de lamentar as críticas, a direção não se arrepende do dourado, que homenageou Oxum e o bloco Badauê, fundado por Moa do Katendê, assassinado em 2018. “Infelizmente a escolha causou desconforto momentâneo entre os associados”, lembra João Paulo Gomes, secretário do Gandhy e coordenador do núcleo de produção. Mas, esse ano, os diretores entraram em consenso de que o afoxé deveria voltar às origens, inclusive religiosas.

Além do turbante e da fantasia com predomínio da cor branca (referência a Oxalá) e dos detalhes em azul (referência a Ogum), em 2020 o tema do Carnaval do Gandhy homenageia Obaluaiê e Omolu, orixás da cura e da doença. “Este tema abrange a saúde humana a partir dos orixás, um dos elos fortes da nossa fantasia com os seus padrões tradicionais. Preservaremos o azul e branco”, avisa João Paulo.

Fantasia do ano passado quebrou a tradição (Foto: Evandro Veiga/Arquivo CORREIO)

“Esse ano garantimos o retorno à tradição na indumentária, mas era necessário fazer o que fizemos no ano passado. Era preciso esse impacto”, confirma o presidente da entidade, Gilsoney de Oliveira, referindo-se não só às homenagens aos 70 anos, mas também ao combate à falsificação da fantasia do Gandhy.

“Com o dourado conseguimos dar um respiro nas falsificações. Evitamos que esse ano se falsifique a indumentária e que algumas pessoas saiam com a fantasia do ano anterior”, acredita Gilsoney.

Distorções
Além da volta integral do tapete branco, a diretoria do bloco diz que também estará atenta à manutenção de algumas tradições e combaterá distorções na avenida. O Departamento de Ética do afoxé pretende ser contundente em orientar os associados a não usar, por exemplo, colares que não têm qualquer referência à entidade. Nos últimos anos, muitos foliões têm usado colares na cor rosa. “Esse negócio de colar rosa não existe!”, afirma Gilsoney.

 

A luta contra o uso indevido dos próprios colares azuis e brancos também é uma das bandeiras. Para o presidente, além de desrespeito às tradições religiosas, a troca do colar pelo beijo, por exemplo, pode, em alguns casos, incentivar o assédio. 

 

Fonte: MADRE FM/CORREIOS
21:00 as 21:00
Publicidade
Peça a sua música!
Envie seu Pedido Musical preenchendo todos os dados abaixo:
Atendimento
Rua: Frey Godofredo Ralf - Madre de Deus/Ba
Ligue agora
(71) 3604-6117
Horário de atendimento
Das 08:00 as 18:00 hs